4 – A Canção da Espada

A Canção da Espada – Bernard Cornwell

Sinopse: O quarto volume das Crônicas Saxônicas dá prosseguimento à saga de Uhtred, o guerreiro saxão relutante em se aliar a Alfredo, o Grande. Neste livro, ambientado cinco anos após os acontecimentos narrados em Os Senhores do Norte, o leitor é testemunha de como o exército de Alfredo expulsa os dinamarqueses de Londres. O reino de Wessex resistiu aos inúmeros e violentos ataques dos vikings. Agora, com Uhtred na liderança, os saxões do oeste dão início à campanha que culminará na fundação de um novo reino chamado Inglaterra.

Após ver a sua rixa com Kjartan chegar ao fim, Uhtred acha que poderá retomar Bebbanburg do controle de seu tio traidor. Isso acontece nesse livro? Mas é claro que NÃO! O autor Bernard Cornwell sempre nos reserva muitas surpresas e desta vez não foi diferente. Cinco anos se passaram desde a batalha em Dunholm e nosso protagonista é levado à Londres, onde os dinamarqueses, agora comandados pelos irmãos Erik e Sigefrid Thurgilson, ameaçam invadir toda Wessex.

E enquanto houver um reino nesta ilha varrida pelo vento, haverá guerra. Portanto não podemos nos encolher para longe da guerra. Não podemos nos esconder de sua crueldade, de seu sangue, do fedor, da malignidade ou do júbilo, porque a guerra virá para nós, desejemos ou não. Guerra é destino, e o destino é inexorável.

Qual é o poder de um juramento? Antigamente, um homem que quebrasse um juramento era visto como um traidor da pior espécie, pois a vida é feita de juramentos, ainda mais com guerreiros como Uhtred, que agora tem 2 filhos e um juramento a Alfredo. Como vocês já viram nos outros livros, nenhuma fortaleza (cidade) é impossível de ser tomada, e dessa vez Uhtred terá que se desdobrar em dois para livar a cidade do controle dinamarquês.

Toquei Bafo de Serpente de novo e me pareceu que ela teve um tremor. Algumas vezes eu achava que a espada cantava. Era um canto fino, apenas entreouvido, um som penetrante, a canção da espada que desejava sangue; a canção da espada.

Confesso que estou chegando ao ponto de considerar As Crônicas Saxônicas a melhor série que eu já li em toda a minha vida. Os livros são ótimos e só melhoram conforme o tempo passa. Dessa vez, a revisão do texto foi mais minuciosa e eu encontrei bem menos erros de ortografia do que nos anteriores. Era muito comum achar uma letra faltando, uma palavra meio apagada, mas agora a revisão está praticamente impecável.

No 4º livro da série, encontramos até mesmo uma pitada de romance entre dois jovens apaixonados, mas não irei contar quem são eles para vocês ficarem com aquela imensa vontade de saber mais. Também não posso esquecer de falar que, a partir desse livro, Alfredo tem em mente a criação de um novo reino: a Inglaterra que conhecemos hoje.

Um país é a sua história, bispo; a soma de todas as suas histórias. Somos o que nossos pais fizeram de nós, suas vitórias nos deram o que temos.


Por Vagner Stefanello. Resenha transcrita do blog desbravandolivros.blogspot.com.br.

Curtiu?